fbpx

Campanha da Saúde: Março Amarelo, Março Lilás e Março Azul marinho, conscientização e prevenção

Algumas informações sobre conscientização e prevenção para as campanhas do mês de Março

campanha saúde março

Março Amarelo: Conscientização sobre a Endometriose

Neste Março Amarelo, destacamos a importância de conscientizar a população sobre a endometriose, uma condição crônica que afeta muitas mulheres em todo o mundo. Infelizmente, não há uma cura definitiva para essa patologia, e as mulheres diagnosticadas enfrentam a perspectiva de conviver com ela ao longo de suas vidas.

A endometriose ocorre quando o tecido que normalmente reveste o útero, conhecido como endométrio, cresce fora de sua localização habitual, predominantemente nos órgãos e nas estruturas da pelve feminina. Os sintomas associados a essa condição incluem cólicas intensas durante o período menstrual, desconforto durante as relações sexuais, dor e sangramento ao urinar e evacuar, além de fadiga, entre outros.

Esses sintomas podem resultar em consideráveis desconfortos e impactar significativamente a qualidade de vida das mulheres afetadas. Além disso, a endometriose está associada à questão da infertilidade, sendo estimado que quase metade das mulheres diagnosticadas enfrentam dificuldades para engravidar.

O Março Amarelo é uma oportunidade crucial para disseminar informações sobre a endometriose, promovendo a conscientização sobre os sinais, sintomas e a importância do diagnóstico precoce. Compreender a natureza da endometriose é fundamental para melhorar o suporte a mulheres que vivenciam essa condição e para impulsionar avanços na pesquisa e tratamento. A educação e a conscientização desempenham um papel vital na busca por uma melhor qualidade de vida para aquelas afetadas por essa condição desafiadora.

Endometriose:

  1. Diagnóstico Precoce:
    • Consultar um médico se houver sintomas como dor pélvica intensa durante a menstruação, dor durante relações sexuais ou dificuldade para engravidar.
  2. Abordagem Multidisciplinar:
    • Trabalhar com uma equipe médica que pode incluir ginecologistas, especialistas em dor e outros profissionais de saúde.
    • O tratamento pode incluir medicamentos, terapia física e, em alguns casos, cirurgia.
  3. Gestão da Dor:
    • Utilizar métodos para aliviar a dor, como compressas quentes, exercícios leves e medicação conforme orientação médica.

Março Azul-Marinho: Conscientização sobre o Câncer Colorretal

Durante o mês de março, a cor Azul-Marinho destaca a conscientização em torno do câncer de intestino ou colorretal, classificado como o terceiro tipo mais comum no Brasil, conforme dados do Instituto Nacional de Câncer – INCA. Esta forma de câncer tem origem no intestino grosso, também conhecido como cólon, e no reto, a porção final do trato digestivo antes do ânus. A incidência desse tipo de câncer aumenta significativamente com a idade, sendo mais prevalente em pessoas com 50 anos ou mais.

Diversos fatores estão associados ao desenvolvimento do câncer colorretal, incluindo o consumo excessivo de bebidas alcoólicas, carnes vermelhas, embutidos e carnes processadas, bem como a ingestão inadequada de frutas, legumes e cereais integrais. Além disso, casos hereditários são identificados em famílias com histórico da doença.

O câncer de cólon e reto é notório por seu desenvolvimento silencioso, com crescimento lento e manifestação de sinais e sintomas apenas em estágios avançados. A detecção precoce é crucial, e alguns sinais de alerta incluem presença de sangue nas fezes, alterações nos hábitos intestinais, dor abdominal tipo cólica com gases e inchaço abdominal, evacuações dolorosas, entre outros.

O tratamento principal envolve cirurgia para a remoção do tumor, mas radioterapia, quimioterapia e medicamentos também podem ser parte integrante do processo de recuperação. Este mês proporciona uma oportunidade valiosa para disseminar informações sobre prevenção, sintomas e tratamentos disponíveis, destacando a importância da conscientização para enfrentar o desafio do câncer colorretal.

Câncer Colorretal:

  1. Rastreamento:
    • Recomenda-se a realização de exames de rastreamento, como colonoscopia, para detectar pólipos ou câncer em estágios iniciais.
    • Iniciar o rastreamento em uma idade adequada, geralmente aos 50 anos, ou mais cedo se houver histórico familiar.
  2. Estilo de Vida Saudável:
    • Adotar uma dieta rica em fibras, frutas e vegetais.
    • Manter um peso saudável e praticar atividade física regularmente.
    • Limitar o consumo de carne processada e álcool.
  3. Conscientização:
    • Conhecer os sintomas, como mudanças nos hábitos intestinais, sangramento retal, dor abdominal persistente, e procurar atendimento médico se necessário.

Março Lilás: Conscientização sobre o Câncer do Colo do Útero

O mês de março destaca-se não apenas pelo Dia Internacional da Mulher, com todas as suas representações, mas também pela conscientização sobre a prevenção do câncer do colo do útero. Esta condição é a quarta principal causa de morte por câncer entre as mulheres no Brasil, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA).

A prevenção primária contra o câncer do colo do útero concentra-se no exame preventivo de Papanicolau, recomendado a cada três anos para todas as mulheres com mais de 25 anos que têm vida sexual ativa. O uso de preservativos durante as relações sexuais e, crucialmente, a vacinação contra o HPV são medidas importantes. A vacina está disponível para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos, reduzindo em 70% a chance de desenvolver câncer do colo do útero e em 90% as verrugas genitais.

Apesar da gravidade da doença, quando diagnosticada precocemente, as taxas de cura variam entre 80% e 90%. Os sintomas muitas vezes só aparecem em estágios avançados, ressaltando a importância da prevenção, que é o foco central do Março Lilás. Este mês serve como um lembrete essencial para promover a conscientização, incentivar a prevenção e destacar a relevância dos exames regulares na luta contra o câncer do colo do útero.

Câncer do Colo do Útero:

  1. Vacinação contra o HPV:
    • A vacina contra o Papilomavírus Humano (HPV) é uma medida preventiva importante. O HPV é uma das principais causas do câncer cervical.
  2. Exames de Rastreamento:
    • Realizar exames regulares, como o Papanicolau (Pap) e o teste de HPV, conforme as orientações médicas.
  3. Comportamentos de Risco:
    • Praticar sexo seguro para reduzir o risco de infecção pelo HPV.
    • Não fumar, pois o tabagismo está associado a um maior risco de câncer cervical.
  4. Conscientização e Educação:
    • Promover a conscientização sobre a importância do rastreamento regular e da vacinação contra o HPV.
    • Educar sobre os fatores de risco e a importância de buscar atendimento médico para sintomas preocupantes.

Fonte: Ascenda Digital  e Fontes do Site Ipe Saúde

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore