fbpx

El Niño (muito) provavelmente quebrará recordes de calor em 2024

(Imagem: TWStock/ Shutterstock)

Existe uma chance bem grande (de 90%) das médias das temperaturas quebrarem recordes de alta ao redor do mundo até junho de 2024. O culpado? El Niño (com ajuda das mudanças climáticas, claro). É o que aponta uma pesquisa publicada na revista Scientific Reports na quinta-feira (29).

  • Pesquisadores preveem uma chance de 90% de recordes de temperatura global serem quebrados até junho de 2024, impulsionados pelo fenômeno climático El Niño;
  • O aquecimento global, exacerbado pelo El Niño, eleva os riscos de secas e incêndios florestais, especialmente em regiões como partes da Ásia, com impactos severos no clima local e global;
  • O El Niño, caracterizado pelo enfraquecimento dos ventos alísios e aquecimento do Oceano Pacífico, influencia drasticamente o clima mundial, levando a variações extremas nas condições climáticas, conforme indicado por estudos recentes;
  • Dois cenários são modelados para 2024: El Niño moderado e forte, com o primeiro sendo mais provável e ainda capaz de estabelecer um novo recorde de temperatura global. Isso destaca a necessidade de vigilância e preparação contínua contra desordens climáticas futuras.

Alguns lugares vão esquentar mais que outros. É o caso de partes da Ásia, por exemplo. A preocupação não se limita apenas ao calorão em si, mas ao seu efeito cascata. É que a alta das médias das temperaturas globais também puxa para cima os riscos de seca e incêndios florestais.

Impactos do El Niño

(Imagem: Reprodução/NASA)

O fenômeno climático El Niño, exacerbado pelas mudanças climáticas, é um padrão climático natural que, em sua fase quente, enfraquece os ventos alísios – ventos constantes, causados pela rotação da Terra, que sopram de leste para oeste nas regiões tropicais e subtropicais. Resultado: aquecimento significativo de grandes áreas do Oceano Pacífico, o que influencia o clima global.

Deliang Chen, um dos autores do estudo e professor na Universidade de Gotemburgo, na Suécia, expressou preocupação com os possíveis impactos desse aquecimento, enfatizando a importância de alertar a população sobre os riscos associados. O estudo revela como o El Niño pode levar a variações climáticas extremas, dependendo da região.

Em 2023, o desenvolvimento de um El Niño em junho já havia sido previsto para causar desordem climática. A Organização Meteorológica Mundial (OMM) alertou que, combinado com as mudanças climáticas, isso poderia elevar as temperaturas globais a níveis sem precedentes. De fato, 2023 foi o ano mais quente registrado desde 1850, possivelmente sendo o mais quente em pelo menos 100 mil anos.

El Niño em 2024

(Imagem: Ning Jiang and Congwen Zhu/Scientific Reports)

Para 2024, os pesquisadores modelaram dois cenários possíveis: um El Niño moderado e um El Niño forte (como demonstrado na imagem acima). Sob um El Niño moderado, regiões como a Baía de Bengala e as Filipinas seriam as mais afetadas. Essas regiões enfrentariam seca contínua e ondas de calor marinhas que podem danificar recifes de coral vitais para as comunidades locais.

Já um El Niño forte poderia trazer recordes de temperatura em regiões como o Caribe, Mar da China Meridional, Amazônia e Alasca. Essas condições extremas poderiam causar ondas de calor marinhas prolongadas e secas severas, resultando em incêndios florestais na Amazônia e perda acelerada de gelo no Alasca, com impactos econômicos globais significativos.

Atualmente, um El Niño moderado parece ser o cenário mais provável para este ano, o que ainda assim deverá levar a um novo recorde de temperatura média global da superfície até junho. Apesar da expectativa de que o El Niño termine até lá, é importante lembrar que esse fenômeno tende a retornar a cada dois a sete anos, o que destaca a necessidade de vigilância e preparação contínuas.

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore