fbpx

Parasita consegue ligar e desligar “modo zumbi” em animais

Imagem: dr.salama.photography/Shutterstock

Pesquisadores da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, descobriram como o parasita Dicrocoelium dendriticum consegue ligar e desligar o “modo zumbi” em seus hospedeiros. O estudo foi publicado na revista Behavioral Ecology.

O parasita encontra um lar temporário dentro da formiga europeia de madeira vermelha Formica polyctena e assume o controle do cérebro do inseto quando o animal atinge determinada temperatura. Após, “leva” o animal através da grama com o objetivo de encontrar o seu hospedeiro definitivo: vacas, veados ou ovelhas.

O interessante é que diferentemente de outros parasitas, este pode simplesmente sair do controle da formiga, despertando o animal que retoma o controle da própria vida. Isso até que o Dicrocoelium dendriticum resolva assumir novamente.

“Colocar as formigas no alto da grama para quando o gado ou veados pastam durante as horas frias da manhã e da noite, e depois descer novamente para evitar os raios mortais do sol, é bastante inteligente. Nossa descoberta revela um parasita mais sofisticado do que acreditávamos originalmente.”

Brian Lund Fredensborg, professor associado da Universidade de Copenhague

Relação do parasita com as temperaturas

  • Estudando centenas de formigas infectadas nas florestas de Bidstrup, na Dinamarca, os cientistas estudaram a relação hospedeiro-parasita por um período mais longo.
  • O que eles descobriram foi que, quando a temperatura estava baixa, as formigas infectadas eram mais propensas a serem controladas.
  • Quando as temperaturas subiam, o “interruptor” era desligado e as formigas recuavam.
  • As informações são da New Atlas.
Formiga controlada por parasitas (Imagem: divulgação/Brian Lund Fredensborg)

Um parasita se sacrifica para que os outros infectem novos hospedeiros

Curiosamente, apesar de cada infecção resultar em centenas de parasitas invadindo o corpo da formiga, apenas um assume o controle de seu cérebro. Os demais se escondem no abdômen, aguardando seu destino final.

Isso significa que o parasita encarregado do trabalho mais importante morrerá quando a missão estiver completa. Enquanto os outros seguirão seu destino.

“Aqui, pode haver centenas de acasos hepáticos esperando que a formiga os coloque em seu próximo hospedeiro. Eles são envoltos em uma cápsula que os protege do ácido estomacal do hospedeiro, enquanto o fígado que assumiu o controle da formiga morre. Pode-se dizer que se sacrifica pelos outros.”

Brian Lund Fredensborg, professor associado da Universidade de Copenhague

Segundo os pesquisadores, a infecção humana é rara. No entanto, o Dicrocoelium dendriticum pode causar danos hepáticos em mamíferos e é encontrado em todo o mundo.

Agora, o objetivo é entender como funciona esse mecanismo que permite que sequestro do cérebro da formiga de forma tão eficaz.

Fonte: Olhar Digital / Por Por Alessandro Di Lorenzo, editado por Lucas Soares

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore