fbpx

Super El Niño vai afetar quase todas as regiões do Brasil

Nasa capta imagem do El Niño - fenômeno meteorológico que eleva as temperaturas — Foto: Sentinel-6 Michael Freilich / Nasa

O Super El Niño já está causando estrago no país. Uma análise do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) divulgada nos últimos dias indicou que o fenômeno deve persistir pelo menos até o fim do ano, afetando quase todas as regiões do Brasil.

Os efeitos já foram sentidos no Sul, onde um ciclone deixou um rastro de destruição no Rio Grande do Sul e tempestades no restante da região. Esta semana o país está batendo recordes de calor que devem persistir até o fim de setembro.

O fenômeno deixa a atmosfera mais quente, o que o conecta a outros fenômenos naturais, piorando questões relacionadas ao aquecimento global. Durante o evento, as águas quentes na superfície aumentam o nível de profundidade do oceano que separa a água superficial quente da água mais fria abaixo. Além do calor, o El Niño deve aumentar a seca ou chuvas em diferentes partes do mundo. 

Entenda como o El Niño vai afetar o Brasil

  • Região Norte: secas de moderadas a intensas no norte e leste da Amazônia. Aumento da
    probabilidade de incêndios florestais, principalmente, em áreas de florestas degradadas.
  • Região Nordeste: como no leste da Amazônia, secas de diversas intensidades no norte do
    Nordeste ocorrem durante a estação chuvosa de fevereiro a maio. Sul e oeste da região não são
    significativamente afetados. Todavia, a região como um todo é muito influenciada também
    pelas variações que ocorrem no Oceano Atlântico Tropical.
  • Região Sudeste: moderado aumento das temperaturas médias, principalmente, no inverno e
    no verão. Não há padrão característico de mudança das chuvas durante a ocorrência do
    fenômeno, com exceção do extremo sul do estado de São Paulo. Aumento da probabilidade de
    queimadas durante o período seco, principalmente, no inverno e início da primavera.
  • Região Centro-Oeste: não há evidências de efeitos pronunciados nas chuvas nesta região.
    Tendência de chuvas acima da média climatológica e temperaturas mais altas no sul de Mato
    Grosso do Sul. Aumento da probabilidade de queimadas durante o período seco,
    principalmente, no inverno e início da primavera.
  • Região Sul: precipitações abundantes, principalmente, na primavera e verão. Aumento da
    temperatura média. As frentes frias que vêm do sul, podem ficar semiestacionadas por vários
    dias sobre a região, provocando chuvas ao longo de praticamente todo o dia. No entanto, vale
    destacar que nem todo evento El Niño gera impactos típicos, podendo ser observados impactos
    distintos de acordo com a configuração e intensidade do fenômeno.
(Imagem: Reprodução/MetSul)

Até quando deve durar?

De acordo com um relatório do Inmet, o El Niño começou a dar seus primeiros sinais em fevereiro deste ano e está chegando em seu auge durante o segundo semestre.

“Isso não significa, entretanto, que o evento está perto do fim. As previsões de temperatura da superfície do mar para a região do Pacífico Equatorial, produzidas por modelos climáticos globais, indicam mais de 90% de probabilidade de que condições de El Niño continuem a se manifestar nos próximos meses, condições estas previstas a persistir, pelo menos, até o final do ano”, disse o órgão.

Fonte: Olhar Digital / Por Lucas Soares 

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore