fbpx

A aviação conseguirá se tornar carbono zero? Pesquisa responde

Pesquisadores concluíram que apenas a substituição de combustíveis fósseis por sustentáveis não basta para tornar o setor de aviação neutro.

Reprodução: John McArthur/Unsplash

Um dos principais desafios na luta contra as mudanças climáticas é do setor da aviação. As empresas ligadas ao ramo se comprometeram a tornar os voos mais sustentáveis, mas de fato é possível atingir a neutralidade nas emissões de carbono até 2050? Pesquisadores do Instituto Paul Scherrer PSI e da ETH Zurich, ambos da Suíça, realizaram cálculos para responder a essa pergunta.

É preciso fazer mais e voar menos

  • Os pesquisadores concluíram que apenas a substituição do combustível de aviação fóssil por combustíveis sintéticos sustentáveis não será suficiente.
  • Segundo o estudo, publicado na revista Nature Communications, o tráfego aéreo também teria de ser reduzido.
  • O setor da aviação é responsável por 3,5% das emissões que causam o aquecimento global.
  • Atualmente, a liberação de gases de efeito estufa pelas aeronaves são duas a três vezes maiores por passageiro ou carga do que em outros setores de transporte.
  • A Organização da Aviação Civil Internacional e diversas companhias aéreas anunciaram a intenção de reduzir as emissões para zero até 2050.
  • No entanto, segundo os pesquisadores, partindo do princípio de que o tráfego aéreo vai continuar a crescer como no passado, os cálculos apontam que as emissões das aeronaves representarão apenas cerca de 20% de seu impacto climático total até 2050.
  • Por isso, para tornar a aviação realmente neutra em termos climáticos é necessário garantir que a produção de combustível e toda a infraestrutura da aviação não tenham mais impacto no clima, além de voar menos.
  • “Novos motores, combustíveis favoráveis ao clima e filtragem de CO2 fora da atmosfera para armazená-la no subsolo (captura e armazenamento de carbono, ou CCS) não vai nos levar lá sozinhos. Além disso, precisamos reduzir o tráfego aéreo”, diz Marco Mazzotti, professor de Engenharia de Processos da ETH.
Setor da aviação é responsável por 3,5% das emissões que causam o aquecimento global (Imagem: Peter Gudella/Shutterstock)

Como os aviões poluem?

  • O estudo aponta que a maior parte do efeito estufa causado pela aviação não se deve ao carbono liberado na atmosfera pela queima de combustível de aviação, mas ao material particulado, a fuligem, e óxidos de nitrogênio que também são liberados e que reagem no ar para formar metano e ozônio, vapor d’água e os rastros de condensação que levam à formação de nuvens cirrus na atmosfera superior.
  • O problema é que as metas de neutralidade não levam isso em conta, afirmam os pesquisadores.
  • Enquanto cerca de metade do dióxido de carbono emitido é absorvido por florestas e oceanos, a outra metade permanece no ar por milhares de anos, dispersando e agindo como um gás de efeito estufa.
  • O metano, por outro lado, tem um impacto muito maior no clima, mas se decompõe em poucos anos.
  • As nuvens resultantes dissipam-se em poucas horas.
  • “O problema é que estamos produzindo cada vez mais SLCFs à medida que o tráfego aéreo aumenta, então eles estão se somando em vez de desaparecer rapidamente. Como resultado, eles exercem seu enorme impacto de estufa por períodos mais longos de tempo”, diz Viola Becattini, da ETH Zurique.
  • Mas ao voar menos, é possível realmente resfriar a atmosfera e diminuir o efeito estufa causado pela aviação para zero.
  • Os pesquisadores destacam que não é necessário parar de voar completamente.
  • Os cálculos realizados no estudo mostram que, para que a aviação atinja a neutralidade climática até 2050, o tráfego aéreo precisará ser reduzido em 0,8% a cada ano, caso o uso de combustíveis fósseis continue.
  • Já no caso do desenvolvimento de combustíveis baseados em fontes renováveis, a redução precisaria ser de 0,4% ao ano.

Combustíveis “verdes“

  • As tecnologias de propulsão para a indústria da aviação baseadas em eletricidade ou hidrogênio estão longe de estar prontas para uma implantação generalizada.
  • A maior esperança é o chamado Combustível de Aviação Sustentável (SAF).
  • Ele é um combustível de aviação artificial que poderia substituir o combustível de aviação à base de petróleo sem a necessidade de redesenhar turbinas e aeronaves, por exemplo.
  • “Se os processos necessários forem realizados inteiramente usando energia renovável, o SAF é praticamente neutro para o clima”, diz Christian Bauer, do Laboratório PSI de Análise de Sistemas de Energia.
  • Outra vantagem do SAF é que ele produz menos SLCFs.
Combustível de Aviação Sustentável pode reduzir drasticamente impactos da aviação no meio ambiente (Imagem: Scharfsinn/Shutterstock)

Passagens mais caras

  • Mas nem tudo é positivo quando falamos do Combustível de Aviação Sustentável.
  • O uso da tecnologia exige muito mais energia.
  • Isso ocorre principalmente porque a produção de hidrogênio via eletrólise requer muita eletricidade.
  • Além disso, a energia é perdida em todas as etapas do processo de produção: captação de ar, eletrólise e sintética.
  • O SAF também é mais caro, não apenas em termos de energia elétrica necessária, mas também no custo das usinas de captura de carbono e eletrólise, o que o torna quatro a sete vezes mais caro do que o combustível de aviação convencional.
  • Ou seja, o uso generalizado do SAF torna a aviação neutra em carbono uma possibilidade, mas também significa que as passagens aéreas custariam mais.
  • Mas isso nos obrigaria a voar menos. Para Viola Becattini, “um aumento de preços tão forte deve reduzir significativamente a demanda por voos e nos aproximar da meta de neutralidade climática”.
  • E esse cenário não continuaria por muito tempo, já que a expectativa é que a produção de SAF se torne mais barata e eficiente ao longo dos anos.

Com informações da Tech Xplore.

Fonte: Por Alessandro Di Lorenzo, editado por Bruno Capozzi  / Olhar Digital

Fonte: Isabela Schwengber, jornalista / Assessora de Imprensa da Epagri / Paulo Cesar Menoncini, extensionista rural da Epagri em São Carlos

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore