fbpx

Artigo alerta para necessidade de atualização dos níveis críticos de fósforo e potássio em bananais de SC e PR

Artigo científico alerta para a necessidade de atualização dos níveis críticos (NC) de fósforo (P) e de potássio (K) nos bananais de Santa Catarina e do Paraná, utilizados para interpretação e recomendações de fertilizantes. O trabalho, recém-publicado no volume 45 da Revista Brasileira de Fruticultura, é assinado pelo pesquisador da Estação Experimental da Epagri em Itajaí, Gelton Fernandes Guimarães, em parceria com José Aridiano Lima de Deus, do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná), e Antonio João de Lima Neto, da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).
Níveis atuais de P e K não atendem adequadamente às taxas nutricionais exigidas pelos bananais (Foto: Aires Mariga / Epagri)

O artigo, intitulado “Método da linha de fronteira na atualização dos níveis críticos de fósforo e de potássio no solo em bananais catarinenses” resume os resultados de pesquisa, que sugeriu que os índices ideais para bananais em Santa Catarina e no Paraná seriam de 85mg/dm3 para fósforo (P) e de 229mg/dmpara potássio (K).

Gelton explica que, atualmente, manuais de calagem e adubação apontam como níveis críticos (NC) de fósforo (P) 18mg/dm3 e de potássio (K) 90mg/dmpara bananais dos dois Estados. O fato é que eles não atendem adequadamente às taxas nutricionais atuais exigidas pela cultura. 

“Os manuais e boletins técnicos que trazem informações sobre calagem e adubação das culturas necessitam de constantes atualizações à medida que ocorrem mudanças no sistema de produção e tecnologias no uso de fertilizantes, bem como quando novos cultivares são lançados no mercado”, esclarece o pesquisador. A pesquisa realizada por eles e pelos dois colegas vai ser útil na atualização destes documentos. 

Técnica da Linha de Fronteira

Para realizar essa atualização, os autores da pesquisa utilizaram um banco de dados contendo resultados de análises de solo, análises foliares e produtividade de 53 pomares comerciais de banana-caturra (subgrupo Cavendish) das regiões do Vale do Itajaí e Litoral Norte catarinense. Eles empregaram a técnica da Linha de Fronteira (LF), que, de acordo com o pesquisador Antonio João, “apresenta-se como uma ferramenta robusta para realizar atualizações dos NCs de nutrientes no solo de forma rápida e com menor custo, além de melhor retratar as condições edafoclimáticas e de manejo adotadas para a região em estudo”.   

O estudo buscou ainda sanar dúvidas dos bananicultores sobre como realizar as adubações com P e K em solos de fertilidade construída. Foram apresentadas condições para subsidiar de forma segura técnicos e bananicultores quanto à supressão de doses de P e K, sem impactar na produtividade da cultura, melhorando a receita líquida pela redução de custos com fertilizantes, perante cenários de aumento de custos desses insumos, contribuindo assim para o uso racional e eficiente de fertilizantes em pomares de banana.

De acordo com o pesquisador da Epagri, a supressão de doses de fertilizantes não é uma decisão simples, além de não ser recomendável quando baseada somente na análise química do solo. “Mesmo quando essa análise indica teores adequados de nutrientes disponíveis no solo, estes não necessariamente serão absorvidos, translocados e redistribuídos dentro da planta”, explica.

O extensionista do IDR-Paraná, José Aridiano, acrescenta que, para tomar essa decisão com segurança, é imprescindível o uso conjunto da análise de solo com a análise foliar, sendo essa última uma ferramenta ainda pouco utilizada no manejo nutricional de bananais. “A utilização integrada dessas ferramentas, aliadas ao histórico das adubações e monitoramento das produtividades ao longo dos anos, possibilitará recomendações de doses com supressão ou não, de forma segura e sem impactos na produtividade”, argumenta.

Fonte: Epagri 

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital

Trigo

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore