fbpx

[OPINIÃO] Como empreendedores em tecnologia e inovação pensam a própria saúde mental e da equipe

Healthtechs são apostas de investimento para negócios dentro e fora do Brasil por trazerem soluções funcionais a questões delicadas, como saúde mental e outros

Imagem: DALL-E/SC Inova.

O que saúde – e mais especificamente saúde mental – tem a ver com o South Summit 2024, ponto de encontro global entre fundos de investimento, empresas e startups? Eu respondo que são muitos pontos de encontro entre esses temas. Começando pelo fato de que, no Brasil, o número de startups voltadas para a saúde, as healthtechs, vem em uma crescente. Um estudo lançado pela Liga Ventures em parceria com a PwC Brasil mostra que entre 2019 e 2022 o número dessas empresas aumentou 16,11%. São soluções complexas, mas pensadas para serem simples e resolver os problemas recorrentes dos usuários. As empresas desse segmento estão nas recepções dos hospitais, nos agendamentos de consultas ou no diagnóstico e tratamento facilitado de diferentes doenças, sejam elas físicas ou mentais.

Porém, ao mesmo tempo em que vemos um crescimento muito grande da digitalização do setor de saúde no Brasil,  questões recentes e relevantes para o futuro do mercado de tecnologia em saúde se apresentam e trazem mudanças significativas para o futuro: Inteligência Artificial, Análise de dados, aumento do Burnout, diferenças geracionais  e humanização de processos realizados com tecnologia foram temas levantadas no evento. A partir das discussões que ouvi no evento, considero que alguns dos principais fatores que devem influenciar o modo de se pensar saúde, especialmente a saúde mental para o mercado de trabalho, são:

Inteligência Artificial e Análise de dados

Disparado o tema mais falado do South Summit 2024. Com a crescente disponibilidade de dados de saúde, empresas utilizam inteligência artificial e análise de dados para criar soluções inovadoras que melhoram diagnósticos médicos, otimizam tratamentos e personalizam cuidados de saúde mental e emocional, proporcionando insights preditivos e significativos para profissionais e pacientes.

Burnout está mais forte do que nunca

O aumento das demandas e pressões no setor de tecnologia, combinado ao crescimento exponencial em startups, tem levado a altos níveis de burnout entre os fundadores e equipes. Empreendedores estão desenvolvendo tecnologias e ferramentas para ajudar a detectar, prevenir e gerenciar o burnout, oferecendo suporte emocional, terapia e recursos de autoajuda para a equipe e para o seu próprio desenvolvimento pessoal e profissional.

Integração de tecnologia com atendimento humano

Reconhecendo a importância do relacionamento humano no cuidado com a saúde, empreendedores estão criando soluções que combinam tecnologia com atendimento humano. Isso inclui plataformas que facilitam a comunicação entre médicos, terapeutas e seus pacientes, promovendo um cuidado mais personalizado, acessível, tecnológico, mas sem comprometer a importância do toque humano e da empatia.

Flexibilidade para atender diferentes públicos

Com a diversidade de necessidades e preferências dos usuários de serviços de saúde, as empresas estão focadas em desenvolver soluções flexíveis que possam se adaptar a diferentes públicos. Isso inclui desde aplicativos de saúde que oferecem opções de personalização até benefícios que são fáceis de usar para uma variedade de usuários, garantindo uma experiência inclusiva e abrangente. Destaco o fortalecimento do tema Terapias Complementares, que cada vez mais ganham força no cuidado com a saúde mental e emocional, indo além das terapias tradicionais de fala e escuta em que muitas pessoas não se identificam.

Geração Z e a saúde no ambiente de trabalho

Os membros da Geração Z valorizam uma cultura organizacional que promova a transparência, a abertura ao diálogo e a flexibilidade para equilibrar trabalho e vida pessoal, o que, algumas vezes, tem criado ruídos geracionais. Eles estão mais propensos a escolher empregadores que ofereçam programas de saúde mental, acesso a terapias e ferramentas de autocuidado. Portanto, as empresas que desejam atrair e reter talentos da geração Z devem priorizar a criação de ambientes de trabalho que valorizem a saúde mental e emocional e oferecer suporte e recursos que ajudem os funcionários a prosperar em todos os aspectos de suas vidas.

Fonte: SC Inova / Por Rodrigo Roncaglio, CEO da startup Guia da Alma

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital

No Brasil, os investimentos no último ano totalizaram 455 negócios e um volume aportado de US$ 1,9 bilhão. Com base nesses dados, o país representou 61,2% dos investimentos na região latino-americana em termos de quantidade de negócios.

Ao considerar as 455 rodadas mapeadas, o número indica uma redução de 51,1% no volume de deals em comparação com o ano anterior. Em termos financeiros, o último ano também apresenta uma diminuição significativa de 56,8%.

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore