fbpx

Tentáculo robótico vai fundo no pulmão – e pode revolucionar tratamento de câncer

O tentáculo-robô, que tem cerca de 2 mm de diâmetro, consegue atingir os menores brônquios dos pulmões – ao contrário da tecnologia atual
(Imagem: SciePro/Adobe Stock)

Pesquisadores do Reino Unido criaram um tentáculo robótico pequeno o suficiente para alcançar profundamente nos pulmões, onde poderia detectar os primeiros sinais de câncer e eliminar suas células – tratando efetivamente os pacientes com a doença.

Para quem tem pressa:

  • Pesquisadores do Reino Unido criaram um tentáculo robótico pequeno o suficiente para alcançar as profundezas dos pulmões;
  • Por isso, ele conseguiria detectar os primeiros sinais de câncer e eliminar suas células – tratando efetivamente os pacientes com a doença;
  • Embora o tentáculo ainda não tenha sido testado em pacientes vivos, os pesquisadores estão coletando dados para iniciar testes em humanos;
  • Além disso, os cientistas estão confiantes de que a tecnologia pode revolucionar a forma como se trata o câncer de pulmão.

Embora o tentáculo ainda não tenha sido testado em pacientes vivos, os pesquisadores estão coletando dados para iniciar testes em humanos. E estão confiantes de que a tecnologia pode revolucionar a forma como se trata o câncer de pulmão.

Tentáculo-robô

(Imagem: Universidade de Leeds)

O robô, desenvolvido por uma equipe de cientistas, engenheiros e médicos baseados na Universidade de Leeds, é composto por um tentáculo de silicone ultra macio com 2,4 mm de diâmetro e controlado por ímãs.

Ele consiste numa série de segmentos cilíndricos interligados que medem cerca de 80 mm de comprimento e podem se mover de forma independente uns dos outros.

De acordo com o estudo publicado pelos pesquisadores na revista Nature Communications Engineering, o robô tentáculo pode alcançar 37% mais profundamente do que os equipamentos convencionais.

Ele também consegue tocar alguns dos menores tubos brônquicos dos pulmões, causando menos danos aos tecidos do que os procedimentos tradicionais.

Procedimento atual e o tentáculo robótico

(Imagem: Adobe Stock)

Atualmente, os médicos que examinam os pulmões dos pacientes precisam obter uma amostra de tecido utilizando um broncoscópio – um instrumento que mede entre 3,5 e 4 mm e é inserido pelo nariz.

Devido ao seu tamanho, o broncoscópio não consegue chegar mais profundamente nos tubos menores dos pulmões – mas o tentáculo robótico dá conta.

De acordo com o estudo, usar o tentáculo resultaria num aumento de 30% da navegação da anatomia bronquial.

O tentáculo-robô é manobrado com ímãs personalizados para cada paciente e montados em braços robóticos que permanecem fora do corpo dos pacientes, enquanto seu caminho é programado antecipadamente.

“A meta era e ainda é trazer ajuda com dor mínima para o paciente. A atuação magnética remota nos permitiu fazer isso usando tentáculos ultra macios, que podem chegar mais profundamente moldando-se à anatomia e reduzindo o trauma.”

Giovanni Pittiglio, coautor do estudo
Assista abaixo uma demonstração do tentáculo robótico funcionando:

A doença

O câncer de pulmão é o segundo câncer mais diagnosticado em todo o mundo, além de ser a principal causa de morte por câncer em homens e mulheres em todo o mundo.

Segundo o site cancer.net, houve mais de 2,2 milhões de novos casos de câncer de pulmão registrados em 2020.

No mesmo ano, 1,8 milhão de pessoas morreram de câncer de pulmão em todo o mundo, de um total de quase dez milhões de mortes relacionadas ao câncer, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde).

Com informações da Universidade de Leeds (em inglês)

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore