fbpx

Vírus experimental usa ChatGPT e se torna “invisível”

Imagem: Summit Art Creations/Shutterstock

Um dos temores relacionados à inteligência artificial diz respeito à criação de vírus de computador mais poderosos e difíceis de serem combatidos. Para provar esta teoria, especialistas em computação usaram o ChatGPT para aperfeiçoar um vírus experimental. O resultado foi preocupante.

https://img.odcdn.com.br/wp-content/uploads/2024/06/chatgpt-1-1024x683.jpg

ChatGPT reescreveu o código do vírus

No experimento, foi criado um arquivo que infecta os computadores na forma de um anexo de e-mail. A equipe, então, pediu ao modelo de IA generativa da OpenAI que reescrevesse o código do vírus.

O resultado foi batizado de “synthetic cancer” e considerado um vírus com camuflagem perfeita. Segundo os pesquisadores, ele é capaz de ficar invisível às varreduras feitas pelos softwares de segurança.

No dispositivo da vítima, o arquivo abre o Outlook, escreve e-mails com conteúdos relevantes, usando o ChatGPT, e se anexa às mensagens sozinho. Esses e-mails são enviados aos contatos da pessoa, possibilitando a disseminação do malware para outros computadores.

Malware pode se esconder de sistemas de segurança (Imagem: Skorzewiak/Shutterstock)

IA desconfiou das intenções de alguns comandos

  • Os autores do estudo destacam que as mensagens redigidas com a ajuda do ChatGPT são bastante convincentes, o que aumenta as chances de infecção.
  • Mas, em alguns casos, o chatbot desconfiou do pedido e não obedeceu aos comandos enviados.
  • Mesmo assim, os pesquisadores afirmam que a IA pode ser utilizada para o aperfeiçoamento de vírus e que são necessários novos sistemas para evitar que isso aconteça.
  • Ainda observam que “deveríamos estar preocupados” com a situação.
  • Os resultados do estudo foram divulgados na plataforma arXiv.
Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore