fbpx

Cientistas começam a entender como a Covid-19 afeta o cérebro

Após realizarem experimentos em laboratório, pesquisadores descobriram que as variantes do coronavírus causam danos às células cerebrais
(Imagem: iStock)

As variantes do coronavírus podem afetar a barreira hematoencefálica e causar danos às células cerebrais. É o que revelam os resultados de um estudo conduzido no Instituto Francis Crick, em Londres. E saber disso traz uma nova perspectiva para os estudos sobre a Covid-19.

Para quem tem pressa:

    • Pesquisadores do Instituto Francis Crick realizaram experimentos em laboratório para investigar os efeitos das variantes do coronavírus no cérebro humano;
    • Os resultados mostraram que as variantes podem afetar a barreira hematoencefálica e causar danos às células cerebrais;
    • A variante “selvagem”, que se originou em Wuhan, na China, mostrou-se a mais agressiva, matando quase todos os tipos de células;
    • Para os cientistas, essas descobertas são fundamentais para melhorar a compreensão sobre os distúrbios neurológicos que podem surgir após infecções por Covid-19;
    • Eles também acreditam que esses resultados podem orientar o desenvolvimento de tratamentos para o cérebro, o que ajudaria na recuperação dos pacientes.

    Os pesquisadores realizaram experimentos em laboratório para investigar os efeitos das variantes do Sars-CoV-2 no cérebro humano.

Covid no cérebro

(Imagem: Cardiff University)

No estudo, publicado no Journal of Neuroinflammation e divulgado pelo Instituto Francis Crick, as células cerebrais e um modelo tridimensional da barreira hematoencefálica foram expostos a diferentes variantes do vírus.

Foi constatado que todas as variantes causaram estresse nas células cerebrais, comprometendo sua função.

A variante “selvagem”, que se originou em Wuhan, na China, mostrou-se a mais agressiva, matando todos os tipos de células, exceto os astrócitos.

Já as variantes Alpha e Beta foram responsáveis pela morte dos pericitos, enquanto a variante ômicron afetou tanto os pericitos quanto as células endoteliais.

(Imagem: Unsplash)

Além disso, os cientistas descobriram que as variantes selvagem e ômicron foram capazes de interromper a integridade da barreira hematoencefálica, possibilitando a entrada de células imunes no cérebro, o que pode desencadear inflamação.

Eles também observaram que as variantes tiveram impacto na concentração de glutamato, uma substância química responsável pela transmissão de mensagens entre as células cerebrais.

A quantidade de glutamato é cuidadosamente equilibrada no cérebro. E qualquer alteração nesse equilíbrio pode ser prejudicial.

Resultados da pesquisa

Astrócitos, células endoteliais, pericitos e microglia, que são receptores nas células que o coronavírus usa para entrar (Imagem: Alize Proust/Journal of Neuroinflammation)

Os resultados indicaram que todas as variantes, com exceção da Beta, afetaram a quantidade de glutamato, podendo causar níveis potencialmente tóxicos ou reduzir a capacidade das células de transmitir mensagens.

Os pesquisadores acreditam que essas descobertas são fundamentais para melhorar a compreensão sobre os distúrbios neurológicos que podem surgir após infecções por Covid-19.

Eles também acreditam que esses resultados podem orientar o desenvolvimento de tratamentos específicos para o cérebro, ajudando assim na recuperação dos pacientes afetados pela doença.

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore