fbpx

Meta: missão de Zuckerberg para reentrar na China enfrenta desafios

A Meta tenta levar o Quest VR para um novo e enorme mercado, mas as críticas anteriores de Zuckerberg à China atrapalham as negociações
Inteligência Artificial e Medicina

“Se a Apple pode vender iPhones na China e a Tesla pode vender carros elétricos, por que não podemos vender nossos dispositivos lá?”. Esse foi o questionamento de Mark Zuckerberg, CEO da Meta, ao setor de estratégia da gigante das redes sociais, no final de 2021.

  • A Meta pressiona para retomar seus negócios na China;
  • Um dos principais objetivos da reentrada da gigante de Mark Zuckerberg é vender headsets Quest VR em território chinês;
  • A empresa manteve discussões com várias empresas de tecnologia chinesas e teve progresso com a potência do videogame Tencent Holdings;
  • No entanto, o esforço enfrenta desafios, em parte porque os executivos chineses temem que Zuckerberg não seja visto como amigável com a China;
  • Nos últimos anos, o fundador da Meta acusou a China de roubar tecnologia dos EUA e mirou ataques na ByteDance, dona do TikTok.

A pergunta, feita numa chamada de vídeo, levou a Meta a pressionar para reiniciar seus negócios na China e vender seus modelos de headset Quest no país, de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto ouvida pelo The Wall Street Journal. Isso mais de uma década após o Facebook ter sido bloqueado lá.

A empresa manteve discussões com várias empresas de tecnologia chinesas e teve progresso com a potência do videogame Tencent Holdings, disseram pessoas familiarizadas com o assunto.

No entanto, o esforço enfrenta desafios, em parte porque os executivos chineses temem que Zuckerberg não seja visto como amigável com a China, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

Zuckerberg e a China

Mark Zuckerberg, CEO da Meta, em evento na China em 2016 (Imagem: Imago/Zuma Press)

Nos últimos anos, o fundador da Meta acusou a China de roubar tecnologia e mirou na ByteDance, dona do TikTok.

Isso minou uma ofensiva de charme que Zuckerberg empreendeu em Pequim em 2016 e reforçou as opiniões negativas sobre o empresário por lá, disseram as pessoas.

As percepções das autoridades sobre o CEO podem aumentar a incerteza caso a Meta e seu parceiro busquem licenças e aprovações para seus produtos e serviços na China, disseram algumas das pessoas.

A recusa da Meta em cumprir as regras de censura de Pequim levou ao seu bloqueio em 2009, disseram autoridades.

Tanto o Facebook quanto o Twitter foram cortados naquele ano após distúrbios na região chinesa de Xinjiang, com a mídia estatal dizendo que a mídia social foi usada para provocar tumultos. Desde então, a China reforçou o controle do conteúdo online.

Os possíveis parceiros em negociações com a Meta também discutiram preocupações internamente sobre como a Meta pode reagir a possíveis restrições futuras ao conteúdo de realidade virtual, um segmento que Pequim planeja regular, disseram as pessoas.

Um porta-voz da Meta se recusou a comentar. A Tencent não respondeu ao pedido de comentário do WSJ.

Negociações da Meta

(Imagem: Below the Sky/Shutterstock)

Uma parceria poderia beneficiar tanto a Tencent, a maior editora de videogames do mundo, quanto a Meta.

O enorme mercado consumidor da China pode ajudar a Meta a recuperar alguns dos bilhões de dólares que gastou desenvolvendo headsets, software e aplicativos para o metaverso.

A Tesla e a Apple, por exemplo, dependem do país para partes significativas da fabricação e vendas gerais.

No início de 2023, o CEO da Tesla, Elon Musk, e o CEO da Apple, Tim Cook, se reuniram com funcionários de altos-escalões durante viagens a Pequim.

Ainda assim, enquanto a Meta tenta entrar na China, muitas empresas estadunidenses estão reavaliando seus laços com o país. A Apple, por exemplo, está transferindo parte da produção para fora da China, que há muito domina sua cadeia de suprimentos.

Os executivos da Tencent debateram acaloradamente se deveriam se juntar à Meta enquanto discutiam estratégias no final de 2022, disseram pessoas familiarizadas com o assunto.

O presidente da Tencent, Pony Ma, decidiu prosseguir com a negociação primeiro e ver quais acordos eles poderiam alcançar, disse uma das pessoas.

Desafios na China

(Imagem: Ted S. Warren)

Um desafio é como a Meta lançaria conteúdo na China, disseram as pessoas. Os usuários provavelmente receberiam conteúdo isolado das ofertas globais da Meta, enquanto a Tencent também procurou integrar seus próprios produtos ao headset da empresa, disseram eles.

Complicações adicionais para qualquer acordo são os gastos reduzidos do consumidor da China e questões operacionais, como o manuseio de dados do usuário, disseram eles. A China tem restringido cada vez mais o envio de dados para fora do país.

Esta é a última de várias tentativas da Meta de reentrar na China. O Facebook continua bloqueado no país de 1,4 bilhão de habitantes, assim como o WhatsApp e o Instagram – todos aplicativos da Meta.

Críticas da Meta

A empresa cortejou autoridades chinesas e contratou um chefe de política chinesa bem relacionado.

Porém, em 2019, Zuckerberg disse aos alunos da Universidade Georgetown, em Washington, D.C., que o TikTok não compartilha o compromisso do Facebook com a liberdade de expressão e representa um risco aos valores estadunidenses e à supremacia tecnológica.

Ele enfatizou essa mensagem nos bastidores em reuniões com autoridades e legisladores dos EUA em Washington naquele ano, inclusive num jantar privado com o então presidente Trump, segundo o WSJ.

(Imagem: Shutterstock)

Um porta-voz da Meta disse, na época, que Zuckerberg não se lembrava de ter discutido o TikTok no jantar.

Numa audiência na Câmara dos Deputados dos EUA, em 2020, com líderes da Amazon, Apple e Google, Zuckerberg foi além de outros executivos ao comentar sobre as tensões tecnológicas EUA-China, condenando o roubo de propriedade intelectual pela China.

Acho que está bem documentado que o governo chinês rouba tecnologia de empresas dos EUA.

Mark Zuckerberg, CEO da Meta, numa audiência na Câmara dos EUA em 2020

A Administração do Ciberespaço da China, principal reguladora da Internet no país, não respondeu ao pedido de comentário do WSJ.

Com informações de The Wall Street Journal

Fonte: Olhar Digital | Por Pedro Borges Spadoni 

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore