fbpx

Ministério sugere uma ‘Constituição’ para a internet; veja!

Adicione o texto do seu título aqui

O documento, elaborado por um grupo de trabalho do Ministérios dos Direitos Humanos, apontou "complacência" das plataformas digitais
Inteligência Artificial e Medicina

O Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania divulgou, nesta segunda-feira (03), um relatório em que sugere uma “Constituição” para a internet a fim de garantir direitos fundamentais dos usuários. O documento também alerta para a disseminação do discurso de ódio na internet.

Para quem tem pressa:

  • O Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania divulgou, nesta segunda-feira (03), um relatório em que sugere uma “Constituição” para a internet;
  • O documento também alerta para a disseminação do discurso de ódio na internet;
  • Um dos pontos abordados pelo texto é a necessidade de regulação das redes sociais;
  • O relatório do ministério também sugere o fortalecimento da mobilização em torno de um novo marco regulatório para as plataformas digitais e a inteligência artificial;
  • A ideia vem de um grupo de trabalho da pasta criado para discutir estratégias de combate ao discurso de ódio e ao extremismo.
 

O relatório foi elaborado por um grupo de trabalho criado pelo ministério para discutir estratégias de combate ao discurso de ódio e ao extremismo, além da proposição de políticas públicas em direitos humanos.

Um dos pontos abordados é a necessidade de regulação das redes. Um projeto que tramita na Câmara dos Deputados – o PL das Fake News – propõe a responsabilização das plataformas digitais.

O objetivo é obrigar as big techs – como são chamadas as grandes companhias de tecnologia – a promover uma vigilância permanente contra a desinformação, conteúdos que propagam discurso de ódio entre outros. O tema também está em julgamento no STF (Supremo Tribunal Federal).

‘Constituição’ para a internet

(Imagem: Reprodução/TSE)

Segundo o documento divulgado nesta segunda pela pasta, diante da proliferação do discurso de ódio nas redes sociais, “ganha relevo o debate sobre o constitucionalismo digital, em que objetiva-se definir direitos e deveres dos cidadãos, uma constituição para o ambiente virtual, visando proteger os direitos e liberdades dos indivíduos que interagem nesse espaço”.

“Uma agenda que reafirma-se na defesa de uma Internet Segura, movimento que ao promover a conscientização sobre os riscos e desafios relacionados ao uso da internet, bem como incentivar práticas seguras online, conclama aos usuários a responsabilidade em contribuir com a convivência democrática no ambiente virtual, adotando medidas de segurança, compartilhando informações de forma consciente e respeitando os direitos e a privacidade dos outros.”

Trecho do relatório do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania

O relatório do ministério também sugere o fortalecimento da mobilização em torno de um novo marco regulatório para as plataformas digitais e a inteligência artificial, com o objetivo de favorecer “um espaço digital mais democrático e seguro para a convivência humana”.

Outros pontos do relatório

(Imagem: Getty Images/Unsplash)

Além da regulação, o Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania aponta como pontos centrais para um ambiente mais seguro nas redes:

  • Estratégias de educação midiática

Educar para a tática de duvidar dos primeiros conteúdos que aparecem nas mídias, com o objetivo de fazer, principalmente jovens e idosos, leitores críticos da internet.

  • Comunicação popular e comunitária

Estimular as formas de comunicação que promovem a participação ativa e a expressão das comunidades locais, permitindo que elas tenham voz e sejam protagonistas na produção e disseminação de informações.

Segundo o relatório, experiências desenvolvidas demonstram o papel decisivo dessas iniciativas de comunicação no enfrentamento à covid-19.

Engrenagens do discurso de ódio

(Imagem: 13_Phunkod/Shutterstock)

O documento divulgado pela pasta conclui que o discurso de ódio opera pelo o que foi chamado de “tecnologias de ódio”, que se ampliam em “ambientes tóxicos virtuais”, levando a práticas que tem como objetivos “promover ideais antidemocráticos, excludentes e segregadores”.

O relatório do ministério ainda alerta para o uso do discurso de ódio como modelo de negócios, o que leva a remuneração de criadores de conteúdos falsos por meio da monetização nas plataformas.

As tecnologias do ódio operam com força pelas mídias digitais, ligando o ódio à desinformação, a intencionalidade da criação de notícias fraudulentas e enganosas (popularmente denominadas de fake news) para obtenção de vantagens econômicas e políticas, podendo ser constatada uma instrumentalização específica do ódio como modelo de negócio e monetização.

Trecho do relatório do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania

O relatório lista as principais instituições, grupos, e sistemas que estão em situação de vulnerabilidade e sob ataque de discursos de ódio.

O texto cita o aumento dos ataques a jornalistas e órgãos de imprensa, estimulados sobretudo pelo ex-presidente Jair Bolsonaro. E apontou o fortalecimento do neonazismo como uma das faces do discurso do ódio presente na atualidade.

O que rola nas redes sociais

Após publicação da portaria com regras, redes sociais que as descumprirem sofrerão represálias (Imagem: Biljana Jovanovic/Pixabay)

O relatório do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania ainda cita como práticas frequentes nas redes:

  • Misoginia e violência contra as mulheres;
  • Racismo contra pessoas negras e indígenas;
  • Ódio e violência contra a população LGBTQIA+;
  • Xenofobia e violência contra estrangeiros e nacionais da região Norte e Nordeste;
  • Ódio e violência contra as pessoas e comunidades pobres;
  • Intolerância, ódio e violência contra as comunidades e pessoas religiosas e não religiosas;
  • Capacitismo e violência contra as pessoas com deficiência;
  • Atos extremistas contra as escolas, instituições de ensino e docentes e a violência decorrente do discurso de ódio;
  • O ódio e a violência extremista contra instituições e profissionais da imprensa e da ciência;
  • Violência política, neonazismo e atos extremistas contra a democracia.

Com informações do g1

Fonte: Olhar Digital | Por Pedro Borges Spadoni 

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore