fbpx

Objeto estranho é detectado emitindo ondas de rádio

Os usuários agora podem tirar ou enviar uma foto para o Bing Chat e pedir mais informações sobre ela (no celular e computador)
O objeto estranho emite pulsos a cada 22 minutos e pode se tratar de um tipo de estrela ainda não confirmado

Astrônomos detectaram um estranho sinal de rádio sendo emitido a cerca de 15 mil anos-luz de distância da Terra. O curioso é que os pesquisadores ainda não sabem com certeza qual é a fonte dessas emissões, mas acredita-se que possa ser de um tipo de estrela ainda não confirmado.

O objeto foi chamado de GPM J1839-10 e está emitindo ondas de rádio de forma completamente estranha a outras fontes de rádio pulsantes, uma a cada 22 minutos, o que é incrivelmente lento.

Os sinais desse objeto já vêm sendo detectados há mais de 30 anos, sendo a primeira vez em 1988, mas conseguiram se manter imperceptíveis até agora.

Acredita-se que a fonte dos sinais seja um magnetar de giro muito lento, mas caso realmente se confirme, mudaria completamente o que sabemos sobre esse tipo de objeto, significando que algo de estranho estaria acontecendo.

“Este objeto notável desafia nossa compreensão de estrelas de nêutrons e magnetares, que são alguns dos objetos mais exóticos e extremos do Universo.”

Natasha Hurley-Walker, líder da descoberta, em resposta à Science Alert

Descoberta do objeto misterioso

Outro objeto semelhante foi encontrado três anos atrás, emitindo um pulso de um minuto a cada 18 minutos, conforme artigo publicado em 2022. A partir disso, a equipe de pesquisadores resolveu buscar por estruturas semelhantes com o Murchison Widefield Array, na Austrália, e acabou encontrando esse objeto que emite rajadas de rádio de cinco minutos a cada 22 minutos. Apontando outros telescópios para o mesmo local, a descoberta foi confirmada.

“Eu tinha cinco anos quando nossos telescópios registraram os pulsos deste objeto pela primeira vez, mas ninguém o notou, e ele permaneceu oculto nos dados por 33 anos. Eles perderam porque não esperavam encontrar nada parecido.”

Natasha Hurley-Walker

A luz emitida pelo objeto é muito semelhante a magnetares, um tipo de estrelas de nêutrons, com um campo magnético muito mais forte que é geralmente associado com o período de rotação da estrela. Para gerar uma poderosa emissão de rádio, é preciso que a intensidade do campo magnético esteja acima da linha da morte. No entanto, esse novo objeto, está girando devagar demais para produzir as ondas de rádio detectadas.

Os mecanismos por trás desse funcionamento ainda são desconhecidos, mas os pesquisadores o acham extraordinário.

Fonte: Olhar Digital | Por Mateus Dias, editado por Lucas Soares

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore