Plataforma de processamento multimoedas, fintech Blimboo expande com produtos para setor turístico

Empresa catarinense, fundada durante a pandemia pelos sócios Fernando Matos e Rafael Sola, recebeu aporte da Bossa, foi selecionada para programa da AWS e anuncia parceria com Ouribank, do mercado de câmbio
Foto: Divulgação

Criada durante o período da pandemia, a fintech catarinense Blimboo surgiu a partir da união de dois empreendedores – Rafael Sola Fernando Matos – que, com a paralisação do setor turístico, decidiram desenvolver uma solução de pagamentos que resolvesse o problema de pagamentos e recebimentos em moeda estrangeira. 

Em três anos de operação, a fintech focou no desenvolvimento de soluções para ajudar empresas que têm dificuldade para digitalizar o processo de vendas e pagamentos multimoedas do início ao fim – e hoje oferece ferramentas para criação de páginas de vendas inteligentes que simplificam o relacionamento com a variação cambial diária que impacta a venda de seus serviços e produtos.

Rafael, responsável pelo Marketing e Comunicação da Blimboo, é especializado em turismo, hotelaria e tecnologia, com experiência em estratégia de produtos e marketing. Já Fernando, que responde pela área de TI e infraestrutura, atua há 12 anos com tecnologia, desenvolvimento e operação de negócios em modelo de Software como Serviço (SaaS). 

Após investimento pré-seed recebido pela Bossa Invest em 2023, a fintech anuncia novas alianças estratégicas para o aumento do portfólio de produtos e conexões via API e o  lançamento de um novo módulo de remessas internacionais. A novidade vem após seleção no AWS Connections, programa da Amazon Web Services (AWS) que ajuda empresas a resolverem desafios de negócios por meio de startups, em colaboração com o Ouribank, referência no mercado de câmbio.

DESAFIOS LEGAIS NO MERCADO DE PAGAMENTOS

Segundo os empreendedores, o setor turístico enfrenta uma série de desafios, especialmente com a cobrança do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) em pagamentos internacionais a fornecedores e as flutuações cambiais que afetam a venda de pacotes de viagens e hospedagens. 

“Com o fim da medida provisória que reduzia o imposto sobre remessas ao exterior para 6,38%, similar ao Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) pago por pessoas físicas, o setor foi impactado pela volta da alíquota de 25% em 2020. Isso forçou muitas agências de viagens a utilizarem métodos, muitas vezes inadequados, para realizar pagamentos a fornecedores internacionais, visando evitar a transferência de custos exorbitantes para os clientes”, ressaltam.

Entretanto, em uma “reviravolta positiva”, a Medida Provisória (MP) 1.138/2022 foi aprovada, reduzindo o imposto para 6% desde 1º de janeiro de 2023, aliviando significativamente o fardo fiscal sobre as transações internacionais mediadas por agências de viagem e operadoras de turismo brasileiras.

A parceria com a Ouribank permite realização das remessas internacionais alinhadas à legislação e com agilidade e expertise. Como reforçam os fundadores, “essa colaboração representa não apenas uma solução para os problemas fiscais e operacionais enfrentados pelo setor turístico, mas também uma promessa de revitalização para agências de viagem e operadoras de turismo, que podem oferecer experiências globais de forma facilitada e segura”. 

Fonte: Redação SC Inova, com informações de agências.

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore