fbpx

Transtornos de ansiedade e o uso extensivo de celulares; existe relação?

A dependência de celulares pode causar nomofobia, fenômeno ligado a transtornos de ansiedade que afeta principalmente os jovens
Imagem: Stokkete / Shutterstock.com

A nomofobia é um fenômeno em que uma pessoa experimenta medo ou ansiedade em relação à falta de conectividade com o celular. Essa condição é considerada uma fobia moderna e tem como origem a crescente dependência da tecnologia e a preocupação com o que poderia acontecer se de repente não fosse possível acessar as informações necessárias.

Enquanto algumas pessoas podem simplesmente não gostar da ideia de ficar sem o celular por longos períodos, outras vivenciam um medo intenso ou ansiedade em perder a conectividade, o que pode levar a agitação, alterações na respiração e outros sintomas.

A nomofobia se assemelha a outras condições psicológicas relacionadas ao medo de coisas específicas e também está ligada a outros tipos de transtornos de ansiedade. Pesquisas indicam que várias condições psicológicas potenciais, como a ansiedade social ou o transtorno do pânico, podem surgir em uma pessoa antes do desenvolvimento da nomofobia.

No entanto, ainda não está claro se o transtorno surge de um transtorno de ansiedade preexistente ou de um vício em celular.

Sintomas e tratamento

  • Os sintomas da nomofobia são semelhantes a outras fobias e transtornos de ansiedade.
  • Eles podem incluir alterações na respiração, tremores, suor, agitação e desorientação.
  • As pesquisas mostram que a nomofobia pode se desenvolver devido à comunicação instantânea e à gratificação imediata que os smartphones proporcionam, o que pode evoluir para um comportamento viciante e compulsivo.
  • Por outro lado, possíveis preditores da nomofobia podem incluir:
    • Pensamentos obsessivos e comportamentos compulsivos relacionados ao smartphone;
    • Sensibilidade interpessoal (que é a capacidade de avaliar as habilidades e características por meio de pistas não verbais em outras pessoas);
    • Sentimentos de inferioridade pessoal;
    • Desconforto social;
    • O número de horas de uso do smartphone por dia.
  • Uma pessoa deve considerar conversar com um médico se acreditar que está experimentando sintomas de nomofobia.
  • Pais ou responsáveis devem ficar atentos aos sintomas da nomofobia e entrar em contato com o pediatra da criança se notarem sinais aparecendo.
  • Um médico pode encaminhar para um psicólogo ou outro especialista para ajudar no diagnóstico e tratamento.
  • Como a nomofobia é relativamente nova, os tratamentos ainda não são padronizados e incluem terapias comportamentais, grupos de apoio, autocuidado e o uso de medicamentos (se necessário).
  • Um médico ou psicólogo provavelmente recomendará opções de tratamento semelhantes ao tratamento de outras fobias.
Imagem: Denis Mamin / Shutterstock.com

A nomofobia é uma preocupação crescente que pode afetar a saúde mental, e parece ser mais comum entre os jovens, embora muitos usuários de celular experimentem algum grau de sintomas. Se você usa regularmente seu telefone, pode experimentar um breve momento de pânico quando percebe que não o tem consigo ou não consegue encontrá-lo.

Isso não significa necessariamente que você tenha nomofobia. Mas se você se preocupa tanto em não ter o telefone ou não poder usá-lo a ponto de não conseguir se concentrar no que precisa fazer, considere buscar a ajuda de um terapeuta, pois a nomofobia pode melhorar com tratamento e mudanças no estilo de vida.

Compartilhe este conteúdo

Conteúdos Relacionados

Siga a Ascenda Digital
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore